Sobre etratégias para a gestão de stress de Cuidadores

A síntese em português que vos trago aqui hoje, tem como referência um estudo de revisão sitemática que versa sobre o impacto das estratégias de coping utilizadas pelos Cuidadores de pessoas com Doença de Alzheimer, na qualidade de vida dos próprios.

Os Cuidadores de pessoas que vivem com a Doença de Alzheimer (DA) estão expostos ao stress e sobrecarga associados ao cuidado. Stresse e sobrecarga que não só afetam a sua saúde, como contribuem para um risco aumentado de mortalidade e redução na qualidade no serviço prestado;

O stress e sobrecarga, são reportados mais frequentemente pelos Cuidadores de pessoas com DA que por Cuidadores de pessoas com outro tipo de demências;

As estratégias utilizadas pelos Cuidadores, na gestão dos desafios do cuidado continuado podem modificar o impacto da vivência de stress na qualidade das suas vidas. A estas estratégias, atribui-se o nome de estratégias de coping;

Estratégias de coping apresentam-se como esforços psicológicos e comportamentais que  ajudam a minorar o impacto negativo proporcionado pela exposição a situações e/ou eventos avaliados como ameaçadores ou stressantes;

As estratégias de coping podem dividir-se em três categorias:

1.Focadas na resolução dos problemas, através da implementação de ações que facilitem a remoção ou redução do estímulo stressante;

2.Focadas na emoção, através da regulação das emoções do próprio face aos estímulos avaliados como stressantes;

3.Disfuncionais, através do evitamento face ao desconforto promovido pela situação e/ou evento stressante.

A investigação tem mostrado resultados controversos sobre qual a tipologia de estratégia que mais pode beneficiar o Cuidador de pessoas com DA:

- as estratégias focadas na resolução de problemas e nas emoções, ajudam na redução de sintomas depressivos no Cuidador;

- as estratégias focadas na emoção, mas não, as focadas na resolução de problemas, predizem sobrecarga uns meses mais tarde;

- as estratégias disfuncionais, predizem grandes níveis de ansiedade e depressão.

Compreender os diferentes tipos de estratégias utilizados pelos Cuidadores de pessoas com DA, permite desenvolver formas específicas e adequadas para gerir os desafios do cuidado a pessoas com DA, perspetivando melhorar a qualidade de vida destas pessoas, como também, dos seus Cuidadores.

A presente publicação, realiza uma revisão sistemática da literatura relacionada com o impacto dos três tipos de estratégias de coping, na qualidade de vida dos Cuidadores de pessoas com DA e nas pessoas com DA, alvo dos seus cuidados. Desta revisão sugere-se o seguinte:

A utilização de estratégias de coping focadas na emoção promovem:

No Cuidador de pessoas com DA

1.Redução da ansiedade, depressão, sintomas psicológicos e comportamentais, exaustão e stress;

2.Melhoria de aspetos relacionados com a sobrecarga e com indicadores fisiológicos como a média da pressão sistólica e diastólica;

Nas pessoas com DA

Melhoria dos indicadores do cuidado.

Que estratégias de coping focadas na emoção foram mais documentadas?

1.Aceitação (aprender a viver com a realidade como ela se apresenta);

2.Suporte emocional (obter apoio emocional, compreensão e conforto dos outros);

3.Humor (fazer graça de situações); (nota: humor, diferente de ironia ou sarcasmo)

3.Reenquadramento positivo (procurar ver de outro modo, identificar o que pode ser melhor na situação);

4.Religião (procurar conforto em abordagens e crenças religiosas e/ou espirituais, rezar, meditar).

A utilização de estratégias de coping focadas na resolução de problemas, promovem:

No Cuidador de pessoas com DA

1.Melhoria de sintomas depressivos, ansiedade, stress, sobrecarga;

2.Redução de sintomas psicológicos, comportamnetais e níveis fisiológicos do dímero-D (quando aumentado no plasma sanguíneo, pode contribuir para o risco de eventos tromboembólicos);

3.Aumento da perceção de controlo.

Nas pessoas com DA

Melhoria dos resultados do cuidado, desacelerando a progressão da DA.

Que estratégias de coping focadas na resolução dos problemas foram mais documentadas?

1.Coping ativo (exercer esforços na realização das coisas de forma diferente, visando melhorar a situação);

2.Apoio instrumental (obter apoio e aconselhamento de outras pessoas sobre o que pode ser feito de diferente);

3.Planeamento (procurar analisar a situação desafiante, definir possíveis ações para melhorar a mesma e implementar as ações que pareceram mais apropriadas, em pequenas etapas).

A utilização de estratégias de coping disfuncionais, promovem:

No Cuidador de pessoas com DA

O comportamento de evitamento contribuiu para o aumento da sobrecarga do cuidador. Alguns exemplos deste evitamento são:

1.Desistir de lidar com os desafios;

2.Negar-me a pensar ou expressar sobre o que está a ser difícil, como se não acreditasse que a dificuldade fosse real; 

3.Distrair, fazendo outras coisas para não dar importância ao problema que me impacta;

4.Culpabilizar-me pelas coisas menos boas que acontecem;

5.Abusar de substâncias para me fazer sentir melhor relativamente ao problema;

6.Desabafar os sentimentos desconfortáveis (nota: em breve, desenvolverei este ponto numa das peças do bolog opinião).

Algumas sugestões:

Odesenvolvimento de estratégias de coping que ajudem à superação do sofrimento psicológico dos Cuidadores, é fundamental e a revisão proporcionada neste artigo não permite a seleção daquelas que possam ser mais benéficas para os Cuidadores de pessoas com DA. Os autores apelam para a necessidade de se realizarem estudos que acompanhem os resultados das estratégias na vida dos Cuidadores de pessoas com DA, por mais anos.

Sabe-se todavia que as estratégias de coping, permitem a gestão dos problemas neuropsiquiátricos e clínicos das pessoas com DA e também, a melhoria da saúde física e psicológica dos seus Cuidadores.

As estratégias disfuncionais podem ter consequências no processo de cuidar, impactando negativamente a qualidade de vida das pessoas com DA e os seus Cuidadores

As estratégias focadas na resolução de problemas, são eficazes perante problemas específicos a dirimir.

As estratégias focadas nas emoções, as mais mencionadas nos estudos revistos na publicação em referência, podem melhorar sintomas depressivos, ansiedade e a qualidade de vida dos Cuidadores de pessoas com DA.

 

Palavras-chave: stress, sobrecarga, estratégias de coping, qualidade de vida, qualidade do cuidado, qualidade de vida das pessoas com DA, doença de alzheimer

 

Para a leitura do artigo original, clique AQUI.

 

Monteiro AMF, Santos RL, Kimura N, Baptista MAT, Dourado MCN. Coping strategies among caregivers of people with Alzheimer disease: a systematic review. Trends Psychiatry Psychother. 2018 Jul-Sep;40(3):258-268. doi: 10.1590/2237-6089-2017-0065. PMID: 30304119.

 
Algumas outras sínteses que o/a poderão interessar:
Música, cérebro, imunidade, stress e relações sociais!
Que efeitos têm os pensamentos positivos na relação de cuidado?