Pecado do “carinho que não mata, mas moi” / virtude do “estímulo à autonomia possível”

Há uns bons anos atrás, passeava num terreno incerto com uma amiga, na altura com 86 anos. Em determinado momento, sinto que um dos seus sapatos escorrega na gravilha. O meu reflexo foi agarrar-lhe o braço com firmeza. A resposta que obtive foi...

Para continuar a ler, inicie sessão.

Enviámos-lhe um e-mail com uma ligação para atualizar a sua palavra-passe.

Início de sessão

Repor a sua palavra-passe

Vamos enviar-lhe um e-mail para repor a sua palavra-passe.