Abraçar o embaraço

 

Poema: Abraçar o embaraço
 
A vida traz embaraços
Que é para nós, desembaraçar
Paralisar, fugir, lutar são umas formas
A outra, é a de abraçar
 
“Fazer do stress um amigo”
É também sugestão da literatura
Não mudar o que controlamos
Afunda-nos em escravatura
 
Daquilo que não sabemos
Sabe o corpo por nós
Ante um estímulo stressante
A resposta vem dos avós
 
Perante ameaças percebidas ou reais
Estruturas cerebrais namoram
Comunicam a sua experiência
E mudanças no corpo vigoram
 
Adrenalina, noradrenalina
Expandem o desconforto
Cortisol, glutamato, acetilcolina
Respondem para não dar pr’ó  torto
 
Se for ameaça pontual
Esta inteligência inconsciente
Serve a beleza da vida
Não sendo inconsequente
 
Se a ameaça for prolongada
Sistemas orgânicos incomunicam
Estar alerta aos sinais não é fraqueza
Mas d’outra inteligência precisam
 
Se todos vamos morrer
Mas nem todos estamos a viver
Vem da Escócia esta frase
Que estou para aqui a escrever
 
Muitos embaraços na vida
Não há como os controlar
Para melhor os gerir
Faz sentido outro pensar
 
Exercício físico praticar
Ajuda a um bom dormir
Fazê-lo a gostar
É também divertir
 
Solidão e isolar
Pode ser uma vontade
Mas é com pessoas giras
Que se ganha serenidade
 
E se o silêncio grita alto
E as preocupações voltam a assaltar
Ouvir as músicas preferidas
Que ajudam a alegrar
 
Mais ações estão à nossa beira
Cabe a nós, as integrar
Estabelecer limites é outra delas
E na natureza caminhar…
 
E porque já me esquecia
E a desatenção me invadia
Descobre novas palavras por dia
E faz a tua poesia